mais sobre mim

cuscar no ninho

 

Janeiro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Crónicas frescas

2anos….

Manteiga

Coisas más e coisas boas

Feliz 2014

Feliz Natal

Feliz Natal

Dezanove mesinhos

Afinal há manhãs assim c...

Fomos a praia os três...

Gonçalo e a "cobertura de...

Gonçalo e a Otite

Batata versus Body

Voltámos à nossa Praia

Notícias

O puto já anda

8 anos o número do Infini...

Um ano de ti Gonçalinho

FELIZ NATAL

Babá valente

Dez meses de ti Gonçalo.

Saídas da Bá

O lanche do Gonçalo

O 1º lanche que a mana d...

É oficial a Bá já está no...

Dicionário de Bárbara

Já fiz 5 meses.

Indginção em dfesa da ama...

Nasceu uma mãe I

Nasceu uma mãe II

Coisas da Bá

Cronicas Antigas

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

tags

adeus

agradecimento

ajuda

alimentação

almoço atribulado

amiga

amigos

amizade

amor

amor de mãe

amor maternal filha

aniversário

aniversário da bárbara

aniversário do cr´´onicas

aniversário do crónicasde uma mãe atrapa

anjos

apego

aprender

apressada

arrumações

avó

bá escola

bá sementes

baba

babyblog

banho

bárbara

barbara

bárbara.

batata

bbá

bdnotícias de bárbara

bebé

bebé quer falam precocemente

bebés

beijos

birra

birras

blogontro

blogontro cancelado.

boas festas

bola de pêlo

bolo de bolacha receitas fáceis

bondade

bonita

brincadeias avós lenga-lenga

brincadeira

brinquedos

cadeia alimentar

cadeirinhas

campanha. mãe

carinho

carnaval

carro

carros

carta

chacina

chica esperta

cibernética

cinema

cinoc sentidos anjos de prata

cinto

ciúmes

clube mammy

concurso

conversas engraçadas

coração de ouro.

criança

crianças

darfur

desenho

dia do pai

divertido

festa

filha

filhos

flores

golfinhos

histórias

jardim

linda

mãe

magia

mamã

menina crescida

natal

notícias da bá

operação

parabéns

patinho

polícia

praia

prémio

regresso

sapo

selo

talento

vaca

varicela

todas as tags

A mamã gansa gostou

A minha experiência de am...

Fomos à praia

E quando os filhos de Cro...

FRAUDE CIBERNÉTICA É CRIM...

Sabor a azul do Céu...

O Ursinho Gummy

A mamã Natal perdeu as ca...

Um Domingo especial

Parabéns filha

Para a minha Barbarita pe...

Mminhos para o Ninho

1º Lugar Babyblogs

Mamã Gansa

Cria o teu cartão de visita

Voaram sobre o o ninho da Mamã Gansa

Andamos por aqui...

O Nosso selo e os de voos amigos

Crónicas de uma Mãe Atrapalhada

O Selo do nosso Ninho e voos amigos

Crónicas de uma Mãe Atrapalhada

blogs SAPO

subscrever feeds

"Vais ter que aprender a viver com dois pequenos problemas" Bárbara

Carta ao Pai NatalCarta ao Pai Natal de Bárbara Duarte

Lilypie Kids Birthday tickers Daisypath Happy Birthday tickers Lilypie Third Birthday tickers Lilypie Breastfeeding tickers
Quarta-feira, 11 de Janeiro de 2012

A minha experiência de amamentação

 

Eu a amamentar a Bá com três dias.

 

 

Agora que estou prestes a ser mamã de novo, uma das coisas que mais anseio é poder amamentar o meu filho da mesma forma que o fiz com a minha filha. A informação dada na altura era pouca e contraditória por isso usei muito o meu instinto. Nem sempre foi fácil, chorei muito, passei muitas noites em claro, mas não desisti e acabou por se tornar uma das melhores experiências que tive de maternidade. Ainda no Hospital porque não consegui que a minha filha pegasse correctamente no peito, ela tomou dois suplementos. Apesar de todas as indicações contra, eu achei que foi positivo, pois eu ficava muito stressada e ansiosa por não conseguir amamentá-la e ela chorava para um lado e eu para o outro. Os suplementos permitiram alimentá-la enquanto eu me acalmava. Quando saí do Hospita,l uma das enfermeiras disse que eu não teria leite para a minha filha pois não tinha os mamilos formados e por isso devia dar um suplemento à minha filha, na altura recusei, dizendo que:”” Se Tinha leite, não havia motivo para não amamentar a minha filha.”
Já em casa passei noites aflitivas em claro, pois a menina não pegava bem no peito, adormecia na mama e com o desespero punha as mãos na boca, eu tirava-lhe uma ela punha a outra. Houve alturas em que tive que pedir que o pai lhe segurasse nos bracinhos para a conseguir amamentar. Mas nessas alturas ela acabava por me magoar o peito e fazer ferida. Surgiram as primeiras gretas e os meus grandes amigos foram o Gretalvite e uns mamilos de silicone. Eu brincava e dizia que eram os meus implantes de silicone, pois o meu peito tinha aumentado consideravelmente de amanho. Estes “implantes” ajudaram a formar melhor os mamilos, mas a bebé tinha mais dificuldade em mamar porque inicialmente rejeitava a textura dos mamilos.

Na primeira consulta de pediatria ao ver o meu a de exaustão o pediatra recomendou um suplemento para que eu pudesse descansar. Também me deu um óptimo conselho: consumir muita água ou líquidos, chá por exemplo e até me recomendou que bebesse enquanto alimentasse. Não esqueci nunca as palavras dele, a sua maminha produz tudo menos leite em pó, se não lhe der o líquido suficiente, ela não pode produzir o leite”. Perguntei se o peito era suficiente ou se podia dar água à Bebé. Ela respondeu-me que água não se nega a ninguém muito menos a um ser tão pequeno e indefeso, mas que deveria ser sempre depois de a amamentar.

Assim segui os seus conselhos e sempre dei água à minha bebé sem que isso interferisse na amamentação. Mas o suplemento não resultou, a Bá não pegava na tetina do biberão, rejeitava o suplemento e rejeitava o peito. Eu chorava e dizia que a continuara assim a minha filha morria à fome. Mas não desisti, fui sempre dando o peito. Tinha muito cuidado no banho, para não passar sabão na área onde a bebé mamava e os cremes sempre a volta. Lavava o peito frequentemente após as mamadas.
Eu amamentava a Bá a pedido. Tentei estabelecer um horário mas o choro dela desesperava-me e eu entrava em grande stress e sabia que isso não era bom nem para mim nem para ela. Assim comecei a amamentar a pedido, para que ela não adormecesse punha música Jazz mexida enquanto ela mamava, às vezes não resultava, ela adormecia na mesma. Mas ainda hoje ela gosta de ouvir música Jazz. Fazia coceguinhas nos pés, nas orelhinhas. Eu sei lá …tentei de tudo. Nos primeiros dias não fazia quase outra coisa senão dar-lhe peito. Lembro-me de uma amiga na época me ligar a perguntar como estava a futura mamã e eu lhe dar a novidade que já era mamã há três dias, então ela perguntou-me como eu me sentia e eu respondi a verdade: “-Sinto-me um enorme biberão gigante”! E era exactamente como eu me sentia. Eu imaginava a minha bebé a olhar para mim e a ver um enorme biberão gigante. Comecei a deixar andar. Progressivamente ela foi mamando mais e melhor.

 Confesso que houve noites em claro, com a privação de sono em que me começaram a pensar pensamentos escuros pela cabeça, mas felizmente o amor vencia. Nessas alturas eu inventava canções e cantava-lhe o que me acalmava a mim e a ela e assim ela teve as suas próprias canções de embalar nascidas nessas longas noites passadas em claro. Às vezes adormecíamos as duas. Eu sentada com ela ao colo e a e ela com a sua boquinha colada na sua maminha.
O tempo foi passando e ambas nos fomos adaptando, principalmente depois da subida do leite as coisas foram ficando mais fáceis. Ela foi agarrando melhor no peito, não só não me magoava como aqueles momentos em que ela mamava, como eram momentos únicas de prazer, muito nossos, quase como se a sentisse dentro de  mim  de novo. Era como se naquela altura nada mais existisse. Essa sensação era óptima e talvez por me sentir mais calma mais segura, o meu peito tinha tanto leite que, se por segundos a bebé me deixasse o peito de repente eu espirrava leite como tivesse um jacto de chuveiro. Uma das desvantagens que eu tinha, é que não podia deixar muito tempo com ninguém, pois ela rejeitava a chucha e todas tetinas, mesmo que o leite fosse tirado do peito ela não o bebia no biberão.

 Assim a minha filha foi literalmente alimentada exclusivamente a peito até aos 6 meses altura em que comecei a trabalhar. Nessa altura ela foi para uma ama e eu ia na hora de almoço buscá-la para a amamentar, porque ela rejeitava o biberão e como a distância até aos 11 meses o permitia assim o fiz. Não foi fácil essa época pois estava sozinha com a bebé deslocada de casa. E apesar de ter redução de amamentação, não tive direito a escolher o horário, e tinha muitas reuniões partir das 18 horas que apanhavam as horas de amamentação da bebé. Se alguns colegas me apoiavam e acarinhavam lembro-me de uma parva que depois de eu dizer que estava preocupada pois já estava a passar da hora do bebé mamar, se pôs a gozar dizendo que mamava no pai, em voz baixa, pensando que eu não a ouvia. Limitei-me a responder que eu estava lá sozinha com a bebé ela nem sequer lá tinha o pai mesmo que o quisesse fazer. A pessoa em questão ficou sem jeito e calou-se. Nessa altura a bebé devia ter uns oito meses.
A partir dos 11 meses ela mamava só de manhã e à noite. Por essa época eram muitas as opiniões de que devia de iniciar o desmame, que amamentá-la já não trazia vantagens blá blá blá. -Quando ela quiser eu deixo! – Respondia, e ainda argumentava que por mim não deixaria de o fazer antes dos seus dois anos conforme as recomendações da OMS. Ah e tal vais-te ver grega para fazeres o desmame, isso já é vício blá blá blá. Deixei falar. E continuei a amamentar a minha filha o que me dava muita serenidade, pois houve alturas em que ela deixava de comer, vomitava, mas nunca deixava de mamar e eu sabia que quando ela estava doente, o elite do peito a deixava alimentada quando ela rejeitava tudo o resto.
Além de todas as vantagens do leite materno, este contribuía também para o factor económico. Era completamente, grátis e tinha uma embalagem atrativa, fantástica forjada pela natureza, que o mantinha sempre bom à temperatura ideal e fácil de transportar para todo o lado. Nunca me inibi de amamentar a minha filha onde quer que estivesse. Regra geral usava uma fraldinha a tapar o peito, que por vezes a bebé desviava, mas isso deixava--me confortável. Lembro que nos primeiros dias a Bá mamava com o nariz completamente escondido na mama, posição que por várias vezes tentaram mudar, mas acho que ela se sentia confortável , pois foi nessa posição que ela começou a mamar melhor.

Aos dezoito meses, depois de ter mamado desmesuradamente no dia anterior, a Bá rejeitou a maminha , a que começara a chamar “mimi”, dizendo que “ a menina  não é mamona”. Não liguei, pensei que ela estava a brincar e continuei a oferecer, para ela mamar, mas ela não voltou a querer. Quinze dias depois, eu ainda tinha leite, mas como ela já nãp mamava, sentia-me desconfortável e acabei por secar o leite. O desmame da minha filha, ao contrário do que muitos diziam, foi um desmame natural e muito pacífico, como eu sempre imaginara.
A Bá cresceu forte e saudável, apesar de ter herdado as minhas alergias, mas que estão bem controladas. Hoje tem 6 anos e é uma menina muito esperta e vivaça, que aguarda ansiosamente como a mãe a chegada do mano quer vê-lo a ser amamentado. E eu espero que assim seja, pois não tenciono desistir de amamentar o meu filho, como não desisti de amamentar a minha filha. S
ei que há mulheres que por mais que tentem tudo não conseguem. Outras há que por opções não amamentam, não as condeno. Para mim amamentar é uma escolha pessoal, para a qual a mulher se deve sentir preparada e motivada, e deve ser uma experiência da qual se retire prazer. Se assim não for então talvez seja melhor não fazer.
 Nem sempre é fácil, e posso dizer que o meu marido foi um grande apoio, quer emocional, quer de outras formas, liberando-me de algumas tarefas para que pudesse amamentar a filha, de outra maneira quem sabe eu também acabasse por desistir…mas ainda bem que não o fiz. E agora espero ansiosamente repetir a maravilhosa experiencia da amamentação  com o irmãozinho da Bá que aguardo para este mês.

crónica da Mamã Gansa às 01:08
link do post | Diga à Mamã Gansa | Ena pá isto é muito giro (1)
 O que é? |  O que é?
6 grasnados:
De C. a 11 de Janeiro de 2012 às 08:57
ADOREI o texto. Eu infelizmente não tive tanta persistência e acabei por só amamentar mês e meio. A minha E. nasceu prematura e era alimentada por sonda ( não tinha o reflexo de sucção) mas com o meu leitinho que ia tirando, nunca suplemento. Mas passado 1 mês, enervei-me e secou-me o leite de um momento para outro.
Do J. o meu mamilo muito pequeno, gretava muito e ficava em sangue. Sentia agulhas a espetarem nos mamilos, era muito doloroso...e acabei por desistir. Comecei a tirar e dar do meu no biberon. Sem estímulo...o leite foi-se embora.
Agora do 3º, quer conseguir amamentar pelo menos até aos 6 meses. Vou me esforçar muito, e sei, que quando tiver dificuldades , venho aqui ler este LINDO post e com certeza me dará forças! Afinal, todos diferentes, todos iguais...e se outras mães conseguem, eu também hei de conseguir certo?

Beijocas grandes, e tudo a correr bem nesta contagem decrescente ;D
De Mamã Gansa a 12 de Janeiro de 2012 às 17:54
Fico contente de o meu post te dar essa motivação e espero que consigas. A Bá também me deixou osmailos em sangue confesso que na altura que me ingligia ador eu ficava tão desesperada que me saíam expressões pouco próprias, mas o Gretalvite e os mailos de silicone foram fundamentais. Eu não a deixei mamar directamente nos mamilos gretados. hoje há muita informação e mais apoio. Tens a linha SOS amamentação e tens no Facebook grupos de apoio o "Mamar ao peito "que é português e o Aleitamento materno que é Brasileiro, mas a moderadora a Simone tem sempre uma resposta e uma solução para o teu caso. Muito importante é o apoio do pai. No meu caso ele passou a cozinhar e, a lavar loiça e roupa para que eu tivesse tempo disponível.Também tivemos que fazer uma escolha entre a rotina normal de um lar ou ter um pouco mais de bagunça, para eu poder amamentar a peddio, mas valeu a a pena. Essencial é não desistir e pensar a mãe Natureza sabe o que faz deu-me este alimento fantástico, agoar só tenho de aprendera usá.lo para alimentar o meu filho... Vais conseguir desta vez. Ah e esquece as bocas do mundo... beijinhos
De Neli a 12 de Janeiro de 2012 às 13:57
Olá! Como eu te compreendo, passei pelas mesmas dificuldades e consegui também levar a avante a amamentação. Vais ver que com o seundo filho tudo corre melhor, logo desde o nascimento. Contudo aconselho a teres à mão o gretlvite, porque até o bébé pegar bem na mama vai magoar o mamilo, mas nada como aconteceu na primeira. No seguno pelo menos estamos muito mais tranquilasem tudo. Desejo que tudo corra bem! Muitos Beijinhos
De Mamã Gansa a 12 de Janeiro de 2012 às 17:58
Mais uma vez parabéns pela ìris. como está a princesa Eva? diz que eu e a Bá lhe mandamos muitos beijinhos.

Eu espero de facto sentir-me mais segura e tranquila desta vez. e claro o Gretalvite e os "implantes" vão estar a postos.

beijinhos
De Raquel R. a 12 de Janeiro de 2012 às 16:07
Uma experiencia que te marcou! 18 meses foi muito bom!
Espero que tenhas sucesso novamente! E nada como sertir-mo-nos confiantes e motivadas!
bjs
De Mamã Gansa a 12 de Janeiro de 2012 às 18:00
Foi uma experiência única em todos os sentidos. A Bá foi um bebé maravilhoso e é uma menina fantástica. O elo de amamentação é algo inigualável se a mulher souber tirara proveito disso.

Beijinhos

Comentar post

Crónicas gosta de

Andamos por aqui...